BASTONÁRIA DOS FARMACÊUTICOS DIZ QUE SAÚDE FALHOU PLANEAMENTO DE INVERNO

A bastonária dos farmacêuticos defendeu ontem que o país, nomeadamente a área da Saúde, falhou a preparação do período de Outono-Inverno e criticou a “comunicação bastante irregular” que tem sido feita da pandemia, que não se combate com “normativos”.

“Penso que não nos preparámos, não nos preparámos ao nível do que devíamos ter feito […] Não estamos pior do que estávamos e sabemos muito mais do que aquilo que sabíamos. Agora que podíamos ter feito muito mais nestes sete meses para nos prepararmos e organizarmos mais, isso seguramente, isso digo-o objectivamente”, disse a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos.

Ana Paula Martins foi recebida ontem à tarde em audiência pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no âmbito de um conjunto de reuniões promovidas pelo chefe de Estado com responsáveis do sector da saúde sobre o combate à pandemia.

A bastonária entende que houve “um défice de coordenação” involuntário e que “claramente existem dificuldade de planeamento na área da saúde” para respostas que devem existir, acrescentando que os últimos sete meses deviam ter servido para esse planeamento.

Ana Paula Martins defendeu que além da resposta ao dia-a-dia da pandemia, devia ter sido encontrado “um pedaço para preparar o futuro” que se sabia que iria acontecer.

“Penso que essa parte para preparar o futuro falhou”, disse.

A bastonária deixou ainda críticas à forma como tem sido feita a comunicação da pandemia, afirmando que “tem sido bastante irregular” e que o contexto exige “quatro ou cinco mensagens muito direccionadas, que envolvam as pessoas e que as façam sentir-se responsáveis”.

“Penso que a comunicação tem falhado. Poderíamos e deveríamos comunicar melhor e deveríamos ter campanhas nos meios de comunicação social. As conferências de imprensa respondem a necessidades específicas, mas não são as conferências de imprensa que tiram as dúvidas dos portugueses ou que lhes dão confiança nem que os chamam ao que é voluntariamente a sua responsabilidade”, disse.

A bastonária defendeu que “é preciso continuar a insistir todos os dias” em “coisas básicas” como os processos individuais de protecção contra a covid-19, que podem ser comunicadas de forma eficaz em campanhas em meios de comunicação social para as quais podem ser chamadas figuras públicas.

“[O combate à pandemia não se faz] com normas que às vezes as pessoas não percebem, às vezes com decisões que depois estamos três ou quatro dias a discutir se a decisão pode ser ou não pode ser implementada”, disse.

“Se não forem os portugueses a querer quebrar esta transmissão e a responder à covid, nós nunca conseguiremos fazer isso através de processos normativos. Não é possível. Cria tensão, cria problemas de coesão que devemos tentar evitar”, acrescentou.

Abertura do concurso de apoio ao movimento associativo da Diáspora

Comments

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP
Translate »