Reino Unido: QUAIS AS RAZÕES PARA O DESCONTENTAMENTO GENERALIZADO DAS EMPRESAS NO REINO UNIDO EM RELAÇÃO AO BREXIT

Desde a saída do Reino Unido da União Europeia, em janeiro de 2020, o panorama empresarial no Reino Unido tem sofrido uma perturbação significativa. A promessa de recuperar a soberania e a capacidade de fazer acordos comerciais independentes foi inicialmente recebida com entusiasmo por alguns sectores. No entanto, à medida que as realidades do mundo pós-Brexit se foram instalando, um descontentamento generalizado foi-se instalando entre as empresas de vários sectores.

INCERTEZA ECONÓMICA E BARREIRAS COMERCIAIS

Um dos impactos mais imediatos do Brexit foi a introdução de barreiras comerciais com a UE, o maior parceiro comercial do Reino Unido. As tarifas, os controlos aduaneiros e as divergências regulamentares criaram um ambiente comercial mais complexo e oneroso. Muitas empresas, em especial as pequenas e médias empresas (PME), têm-se debatido com a necessidade de navegar pelos novos requisitos, o que tem provocado atrasos e custos operacionais acrescidos. A burocracia acrescida foi descrita por alguns como um “pesadelo”, dificultando a sua capacidade de competir efetivamente nos mercados europeus.

PERTURBAÇÕES NA CADEIA DE ABASTECIMENTO

A perturbação das cadeias de abastecimento tem sido outro desafio significativo. As indústrias que dependem de modelos de entrega just-in-time, como a indústria automóvel e a indústria transformadora, enfrentaram atrasos e escassez de componentes essenciais. O aumento do tempo e dos custos associados à importação de mercadorias da UE obrigou algumas empresas a reavaliar as suas estratégias de cadeia de abastecimento, muitas vezes com custos consideráveis. Esta perturbação conduziu a abrandamentos da produção e, em alguns casos, a encerramentos temporários, exacerbando a incerteza económica.

DESAFIOS DO MERCADO DE TRABALHO

O Brexit também afectou o mercado de trabalho, sobretudo em sectores que dependiam fortemente dos trabalhadores da UE, como a agricultura, a hotelaria e os cuidados de saúde. O fim da livre circulação resultou na escassez de mão de obra, pressionando os salários para cima e criando desafios em termos de pessoal. As empresas têm tido cada vez mais dificuldade em recrutar a mão de obra qualificada e não qualificada necessária para manter as suas actividades, o que levou a uma redução da produtividade e dos níveis de serviço.

SECTOR DOS SERVIÇOS FINANCEIROS

O sector dos serviços financeiros, uma pedra angular da economia do Reino Unido, não ficou imune aos efeitos do Brexit. A perda dos direitos de passaporte significou que as instituições financeiras sediadas no Reino Unido já não podem operar livremente em toda a UE. Este facto levou à deslocalização de algumas operações e postos de trabalho para outros centros financeiros europeus, como Frankfurt, Paris e Dublin. As implicações a longo prazo para o estatuto da City de Londres como centro financeiro global permanecem incertas, contribuindo para o sentimento mais alargado de descontentamento.

SENTIMENTO EMPRESARIAL E INVESTIMENTO

Os inquéritos sobre o sentimento das empresas revelam um sentimento generalizado de pessimismo. Muitas empresas consideram que o Brexit introduziu mais desafios do que oportunidades, com preocupações constantes sobre a divergência regulamentar e o acesso ao mercado. A incerteza em torno das futuras relações comerciais e do ambiente regulamentar do Reino Unido conduziu a uma abordagem cautelosa do investimento. Muitas empresas adiaram ou reduziram os seus planos de investimento, preferindo esperar até que haja maior clareza.

RESPOSTA DO GOVERNO E PERSPECTIVAS FUTURAS

O Governo do Reino Unido introduziu várias medidas para apoiar as empresas durante a transição, incluindo pacotes de ajuda financeira e esforços para concluir novos acordos comerciais. No entanto, muitas empresas consideram que estas medidas são insuficientes para compensar os desafios colocados pelo Brexit. Há um apelo crescente a um apoio mais abrangente e a orientações mais claras para ajudar as empresas a adaptarem-se ao novo cenário.

Olhando para o futuro, o futuro continua incerto. É provável que o impacto total do Brexit demore anos a materializar-se plenamente, com as empresas a continuarem a adaptar-se à nova normalidade. Há esperança de que novos acordos comerciais e reformas regulamentares possam eventualmente proporcionar algum alívio. No entanto, por enquanto, o descontentamento generalizado entre as empresas do Reino Unido relativamente ao Brexit sublinha os desafios económicos e operacionais significativos que o país enfrenta na sua era pós-UE.

Em conclusão, embora o Brexit tivesse como objetivo recuperar a soberania e abrir novas oportunidades para o Reino Unido, a transição tem sido repleta de dificuldades para a comunidade empresarial. As barreiras comerciais, as perturbações na cadeia de abastecimento, a escassez de mão de obra e as incertezas regulamentares criaram um ambiente difícil. À medida que o Reino Unido navega no seu futuro pós-Brexit, a resolução destas preocupações será crucial para promover um clima empresarial mais positivo e garantir a estabilidade económica.

Mas tivemos novas eleições com a vitória esmagadora do Partido Trabalhista. Com a sua tomada de poder, a promessa da aproximação à União Europeia e a renegociação do acordo de saída. Fala-se no comércio, na saúde, na livre circulação de pessoas, na ciência e na pesquiza  cientifica e muitos outras áreas. Vamos acreditar que daí venham melhores ventos… mas só o tempo confirmará se assim vai ser.

Study in UK - PT/ BR/ ES
Go to TOP
Translate »