Mundo/USA: SUPREMO LIBERTA TRUMP CONCEDENDO-LHE IMUNIDADE CONTRA AÇÕES PENAIS

O ex-presidente Donald Trump conseguiu quase tudo o que poderia ter desejado na última semana e meia. Não só a atuação do Presidente Joe Biden no debate de quinta-feira à noite, em Atlanta, levou o Partido Democrata a um pânico coletivo – havendo mesmo quem especulasse que o partido teria de substituir o Presidente – como Trump recebeu decisões judiciais que o beneficiaram, a ele e ao seu movimento político.

Mesmo assim, como ele é quem é, não pode deixar de continuar a expor as suas queixas.

Na segunda-feira, o Supremo Tribunal decidiu que os presidentes têm alguma imunidade contra ações penais. Esta decisão vai praticamente garantir um atraso no processo criminal de Trump, acusado de ter conspirado para anular os resultados das eleições de 2020. Era exatamente o que a sua equipa queria: agora é improvável que haja uma decisão até depois das eleições presidenciais de 2024, altura em que não pode afetar o que acontece em novembro.

O caso será devolvido ao tribunal de primeira instância e a juíza Tanya Chutkan realizará audiências para determinar se as alegações contra ele constituem atos “oficiais” que ele realizou como presidente ou “atos não oficiais”. Isto inclui todas as ações tomadas, desde o telefonema de Trump ao Secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, em que infamemente pediu a Raffensperger para “encontrar” votos adicionais, até à sua tentativa de pressionar o então Vice-Presidente Mike Pence.

Este caso surge alguns dias depois de o tribunal ter decidido que a acusação de “obstrução de um processo oficial” apresentada contra Joseph Fischer, um antigo agente da polícia que se insurgiu contra o Capitólio dos EUA, tinha sido utilizada de forma demasiado ampla. Embora o caso não deva ter muito efeito no caso de Trump, permite-lhe dizer que um Departamento de Justiça demasiado zeloso perseguiu indevidamente os seus apoiantes mais fiéis.

É claro que estas decisões legais não poderiam ter acontecido, se não fossem as nomeações de Trump de três juízes do Supremo Tribunal. Apesar de a juíza Amy Coney Barrett se ter aliado às liberais Sonia Sotomayor e Elena Kagan, a eleição de Trump em 2016 significou que os juízes Neil Gorsuch e Brett Kavanaugh, que se juntaram à maioria, poderiam proferir tais decisões em vez dos juízes mais liberais que Hillary Clinton teria nomeado.

O facto da capacidade de Trump para se candidatar à presidência depender diretamente do calendário dos julgamentos que podem determinar se ele se pode tornar um homem livre não provocou qualquer exame de consciência por parte do Partido Republicano. Nem a sua condenação penal por 34 acusações em Nova Iorque, ou o facto de ter sido considerado responsável pela agressão sexual de E Jean Carroll.

Pelo contrário, ele continua a ter influência no Partido Republicano. Apenas um punhado de senadores republicanos se recusou a apoiá-lo – e o seu próprio apoio tem o poder de apoiar candidatos em risco e de destronar conservadores que se sentem ameaçados por ofensas. O domínio de Trump no seio do Partido Republicano continua a ser total.

Ao mesmo tempo, ele não pode deixar de continuar a mergulhar na piscina de teorias da conspiração que os seus apoiantes elaboraram e a planear a sua última ideia de vingança.

No domingo, deu uma série de repostes no Truth Social, o seu meio de comunicação preferido atualmente. Durante essa onda, repostou nomeadamente uma imagem sua e da primeira-dama Melania Trump (que esteve visivelmente ausente do debate) com a frase “Where We Go One, We Go All”, um slogan comummente utilizado nos círculos de crentes QAnon.

Outro repost pedia que Biden fosse preso por traição. Um terceiro apelou à prisão dos membros do comité restrito de 6 de janeiro, da antiga Presidente da Câmara Nancy Pelosi, de Mike Pence e do líder da minoria no Senado Mitch McConnell. Isto apesar do facto de McConnell e Trump terem supostamente feito as pazes quando Trump se deslocou ao Capitólio no mês passado.

Trump guardou a maior parte de sua ira para Liz Cheney, uma ex-congressista sem poder político que ele já depôs em 2022. Ele repostou uma imagem pedindo que ela enfrentasse um tribunal militar.

Há aqui uma profunda ironia. Trump queixou-se de estar a ser perseguido politicamente pelos seus adversários, apesar de Biden não ter nada a ver com a sua condenação criminal em Nova Iorque. De facto, o procurador-geral Merrick Garland nomeou o conselheiro especial Jack Smith para dar uma imagem de imparcialidade.

Mas Trump publica e volta a publicar abertamente sobre a retaliação legal dos seus opositores, dizendo frequentemente que cometeram traição, um crime para o qual a pena é a morte.

O facto de Trump o poder fazer sem que ninguém do seu partido se aperceba mostra o seu controlo total do partido que agora representa. E mostra uma confiança absoluta de que nada do que ele possa fazer irá dissuadir os eleitores. Embora esta estratégia possa levar à vitória de Trump em novembro, nem sempre terá resultados positivos para os republicanos; no momento em que ele os considerar sediciosos, lançará também sobre eles os seus seguidores.

Avalie o jornal
Go to TOP
Translate »