Mundo / EUA: JOE BIDEN Á BEIRA DE UM PRECIPÍCIO – Democratas pedem a sua substituição

Depois do desastroso debate, onde segundo as sondagem perdeu 68% para Trump, Joe Biden insiste, contra a maioria dos seus aliados, manter-se na corrida para a Casa Branca.

Agora, até o New York Times se virou contra Joe Biden – o jornal amigo dos democratas insistiu para que o Presidente abandone a corrida no dia seguinte ao seu desastroso debate.

Diz-se que os doadores do partido e os congressistas deram ao doente Presidente uma semana para “provar que não está morto”, depois do confronto com Trump, onde o seu corpo pareceu ter saído de um grave acidente.

Pessoas de dentro do partido descreveram a atuação de Biden, de 81 anos, como de algém que veio de “desastre de comboio” ou de um “incêndio na lixeira” – enquanto alguns sugeriram abertamente que Biden deveria trocar de lugar com outro candidato.

Biden passou os 90 minutos do debate da CNN sem conseguir terminar as frases e perdendo, por várias de vezes, a linha de pensamento, perante dezenas de milhões de telespectadores atónitos.

E apesar de insistir, logo em seguida, que estava pronto para levar para a frente a luta com Trump e cortejar os eleitores LGBTQ em Nova Iorque – incluindo trazer Sir Elton John para o palco com ele – o Presidente não conseguiu convencer os principais eleitores de que “I’m Still Standing”.

Num editorial contundente, o jornal criticou-o por ser uma “sombra” do seu antigo eu, admitindo que o outrora “admirável” político “lutava para chegar ao fim de uma frase”.

Num artigo intitulado “To Serve His Country, President Biden Should Leave the Race” (“Para servir o seu país, o Presidente Biden deve abandonar a corrida”), o jornal criticou as suas tentativas contínuas de se candidatar como uma “aposta imprudente” no futuro do país.

Afirmaram que o país precisava de “um opositor mais forte” para se opor ao “risco significativo para… a democracia” – uma ameaça caracterizada pelo líder republicano.

Num golpe duro, o conselho editorial do jornal disse: “Não há razão para o partido arriscar a estabilidade e a segurança do país, forçando os eleitores a escolher entre as deficiências de Trump e as de Biden. É uma aposta demasiado grande esperar simplesmente que os americanos ignorem ou não deem importância à idade e à doença de Biden, que veem com os seus próprios olhos”.

E continuaram: “O caminho mais claro para os democratas derrotarem um candidato definido pelas suas mentiras é lidar com a verdade com o público americano: reconhecer que Biden não pode continuar a sua corrida e criar um processo para selecionar alguém mais capaz para ficar no seu lugar e derrotar Trump em novembro.

É a melhor hipótese de proteger a alma da nação – a causa que levou Biden a concorrer à presidência em 2019 – da deformação maligna de Trump. E é o melhor serviço que Biden pode prestar a um país que ele serviu nobremente durante tanto tempo”.

A acusação brutal surge apesar de um Biden desafiante ter insistido ontem à noite que ainda poderia ganhar as eleições – ao recusar-se a desistir da sua candidatura a um segundo mandato.

O Presidente usou um comício em Raleigh, Carolina do Norte, para acalmar as preocupações generalizadas, uma vez que alguns dos seus aliados mais próximos – incluindo Obama – o apoiaram publicamente, apesar de admitirem que o seu desempenho foi mau.

“Sei que não sou um homem jovem. Para dizer o óbvio”, disse Biden, ao lado da primeira-dama Jill, que usava um vestido Christian Siriano com a palavra “vote”.

“Pessoal, já não ando tão facilmente como dantes. Não falo tão suavemente como dantes. Não debato tão bem como dantes”.

“Mas eu sei o que sei – sei dizer a verdade. Sei distinguir o certo do errado. E sei como fazer este trabalho. Sei como fazer as coisas”, argumentou o presidente.

Mas os grandes democratas apelam ao Presidente para que suspenda a sua campanha e dê lugar a um candidato mais jovem na convenção do partido deste ano, que terá lugar em agosto.

“Acho que o Presidente tem uma semana para provar que não está morto”, disse um congressista a Matthew Yglesias, um bloguista político norte-americano. 

Mark Buell, um doador democrata, disse: “Será que temos tempo para colocar outra pessoa lá dentro?

David Axelrod, conselheiro de Barack Obama, acrescentou: “Vai haver discussões sobre se ele deve continuar”.

E David Plouffe, que dirigiu a campanha de Obama quando este chegou ao poder em 2008, disse à CNN: “É uma espécie de momento Defcon 1… eles estão separados por três anos, mas esta noite pareciam estar separados por 30 anos”.

Uma sondagem instantânea do DailyMail.com sobre o debate revelou que uma clara maioria dos eleitores independentes acredita que Biden já não deve ser o candidato. Cerca de 62% disseram que Biden deveria ser retirado da lista.

A J.L. Partners sondou 805 eleitores independentes imediatamente após o confronto de 90 minutos e descobriu que 68% disseram que o ex-presidente venceu o seu sucessor na Casa Branca.

The Lingerie Restaurant
Go to TOP
Translate »