BREXIT VS UE: QUE FUTURO?

Depois de quase um ano de entrada em vigor do Brexit, o Reino Unido e a União Europeia ainda se encontram em “guerras” económicas e políticas, internas e externas, deixando em maus lençóis a Escócia e a Irlanda do Norte, nomeadamente com a Escócia a querer ficar na União Europeia e com a Irlanda do Norte a estar “ligada” à República da Irlanda, podendo dificultar assim a entrada e saída de cidadãos bem como as relações comerciais entre os dois países. 

O primeiro-ministro Boris Johnson falou na possibilidade de criar um Reino Unido mais global, apontando a relações mais fortes com países como os EUA, Austrália, Índia e Coreia do Sul. 

No entanto, serão as consequências positivas para o Reino Unido? O plano de Boris Johnson está a sofrer alguns reveses, nomeadamente quando olhamos para prateleiras de supermercados vazias, para a dificuldade das empresas em contratar dados os obstáculos burocráticos, quando reparamos que existe escassez de camionistas, quando nos deparamos com novos impostos e novas tarifas impostas pela União Europeia, e quando percebemos que existem tensões diplomáticas, nomeadamente com a situação da Irlanda do Norte. 

Brexit? Porquê? Como ficará o Reino em termos comerciais, de segurança e de migrações?

Bem, podemos recuar a 2013 quando o então primeiro-ministro David Cameron prometeu um referendo sobre o Brexit, podendo os cidadãos optar por permanecer ou sair da União Europeia. David Cameron estaria confiante que os cidadãos quereriam ficar na UE mas, mais uma vez, como acontece agora com Boris Johnson, o tiro saiu pela colatra. 

Quando, em 2016, chegou o momento da votação, toda a Europa estaria a ser assolada por uma crise de refugiados, consequência dos conflitos no Médio Oriente, nomeadamente no Afeganistão, Síria e Iraque, tendo um impacto significativo no tema das migrações, nomeadamente nas políticas a adotar. 

52% dos eleitores votaram pela saída da UE e, no entanto, não teriam pensado nas repercussões económicas que isso traria ao Reino Unido, nomeadamente com o facto de a Europa ser o mercado de exportação mais importante para o país. Já estamos em 2022…e agora?

Licenciado em Comunicação e Relações Públicas - Instituto Politécnico da Guarda, Portugal. Mestrando em Relações Internacionais - Universidade de Wroclaw, Polónia. [ View all posts ]

Go to TOP
Translate »