JOGADORES DA HUNGRIA REJEITAM AJOELHAR-SE ANTES DOS JOGOS POR CONSIDERAREM ESSE GESTO COMO

UM PROTESTO POLÍTICO Os jogadores da Hungria, adversária de Portugal o Euro 2020 de futebol, rejeitam ajoelhar-se no início dos jogos como um gesto contra o racismo, por considerar esse ato um protesto político, anunciou a federação húngara (MLSZ).

Sem nunca mencionar diretamente os jogos do próximo Europeu, a MLSZ explicou que a seleção húngara é contra qualquer tipo de exposição ou exibição política nos estádios de futebol e, por isso, os seus jogadores “rejeitam qualquer ato nesse sentido”.

“Os regulamentos da UEFA e da FIFA são claros. Não autorizam a política nos campos e nos estádios de futebol. É uma medida que a MLSZ aceita e apoia”, lê-se no comunicado do organismo.

A federação húngara adiantou que “o respeito pelo próximo é um dos valores básicos do desporto” e por isso criou há uns anos a campanha “o ódio não é bom”, para precisamente lutar contra esse problema.

Durante os jogos de preparação para o Euro 2020, os jogadores de seleções como Inglaterra e Bélgica ajoelharam no relvado segundos antes do arranque das partidas, assim como alguns árbitros, num gesto de luta contra o racismo.

Go to TOP
Translate »