BORIS JOHNSON APRESENTA O PLANO DE DESCONFINAMENTO QUE COMEÇA EM 8 DE MARÇO E DEVE ACABAR A 21 DE JUNHO – SE TUDO CORRER BEM!

Boris Johnson ignorou a forte pressão dos conservadores e das empresas ao anunciar hoje um ‘roteiro’ de desconfinamento ultra-cauteloso – com as escolas a reabrir dentro de quinze dias, dia 8 de Março, mas pouco mais mudará nos próximos meses.

Anunciando o seu esperado plano de saída do confinamento em quatro fases, o PM deixou claro que estava a dar prioridade ‘à certeza do que à urgência’ para afrouxar o bloqueio do país.

Johnson confirmou que todas as escolas na Inglaterra serão reabertas a partir de 8 de Março. Mas os alunos do ensino secundário precisarão de usar máscaras nas aulas durante várias ‘semanas’ após a reabertura – não se esperando mais novidades até à Páscoa, já que foram seguidos os conselhos dos cientistas que defendem uma abordagem lenta ao desconfinamento.

A único outra desaceleração, que vem ao mesmo tempo que o retorno às escolas, é a autorização de se encontrar socialmente com um amigo ou membro da família no parque para um café ou um piquenique.

A próxima fase de afrouxamento será em 29 de Março, quando o pedido formal de ‘Stay at Home’ (fique em casa) for substituído por ‘Stay Local’ (mantenha-se localmente), e a ‘Regra dos Seis’ voltar. O confinamento será reduzido para permitir que duas famílias se reúnam, permitindo que os parentes se encontrem adequadamente pela primeira vez em meses.

Nessa data também haverá a reabertura de campos de ténis e de golfe e o retorno do futebol de base ao ar livre.

Mas lojas, cabeleireiros e pubs devem permanecer fechados até 12 de Abril, no mínimo – ao mesmo tempo em que as academias voltam a funcionar – apesar dos temores crescentes sobre o colapso da economia do país. Mesmo nesse ponto, as canecas e as refeições só podem ser consumidas ao ar livre.

Os acampamentos e alugueres de férias podem reabrir para famílias solteiras a partir de 12 de Abril – mas as viagens internacionais estão completamente fora de questão até pelo menos a 17 de Maio.

E as regras de distanciamento social permanecerão em vigor até 21 de Junho, no mínimo, com uma revisão do governo para decidir o seu futuro depois disso. A decisão significa que os mais velhos vão ter de esperar meses antes de poderem abraçar os netos – embora milhões já tenham sido vacinados.

Outra revisão que será realizada, nessa altura, será a decisão de lançar um sistema de ‘certificados de vacinação’ no Reino Unido, para ajudar a abrir a economia, algo que o governo disse anteriormente que não estava a considerar.

Os desportos podem recomeçar a partir de 17 de Maio, embora as instalações necessitem de trabalhar com capacidades reduzidas.

O máximo de 30 pessoas podem reunir-se em casamentos a partir da mesma data e terão de esperar até a próxima fase do roteiro, para aumentar o número de convidados.

Só em 21 de Junho serão eliminados todos os limites legais de contactos sociais, e as demais unidades do sector de hospitalidade poderão ser abertas. Boris frisou que está sendo guiado por ‘dados, não datas’ e o cronograma não é garantido.

O projeto, que tem 60 páginas, inclui uma série de modelos de apoio à estratégia provisória do governo. Foi publicado junto com outras notícias positivas sobre a eficácia das vacinas na redução da transmissão. Um grande estudo publicado hoje anunciou que a inoculação está a funcionar “espectacularmente bem” e tem reduzido os internamentos hospitalares até 95%.

Mas Johnson enfrentou hoje, no Parlamento, o desafio e raiva dos seus próprios deputados, ao definir que os ‘quatro testes’ vão continuar sem qualquer abrandamento, incluindo nenhuma preocupação emergente sobre cepas variantes. Os outros critérios são a implantação da continuação da vacinação, que tem corrido bem, com as inoculações mantendo-se eficazes na redução de internamentos e mortes em hospitais e evitando o aumento de casos nos hospitais.

Johnson disse que o surto continua uma ‘ameaça permanente’ e os casos, hospitalizações e mortes vão aumentar nos próximos meses porque nenhuma vacina pode oferecer 100 por cento de protecção para toda a população.

“Em cada fase, as nossas decisões serão conduzidas por dados, não por datas”, disse o primeiro-ministro aos parlamentares.

Johnson defendeu o espaço de cinco semanas entre as etapas principais do roteiro, ainda mais longo do que as quatro semanas previstas. Ele disse que leva quatro semanas para avaliar o impacto de cada etapa, e o país precisa de um aviso prévio de uma semana para as mudanças. Ir mais rápido pode significar ter de reimpor o bloqueio.

“Não vou correr esse risco”, disse Johnson.

O PM admitiu que o sucesso da campanha de vacinação encorajou muitos a pensar que é possível ‘ir mais rápido’.

“Eu entendo a vossa frustração e simpatizo muito com a exaustão e o stresse que as pessoas estão a sofrer e as empresas estão passando… mas, para todos eu digo que o fim está realmente à vista”, disse Boris aos deputados na Câmara dos Comuns.

Johnson indicou, também, que as licenças de trabalho poderão ser estendidas além do final de Abril, dependendo da lentidão do relaxamento, dizendo que o governo continuará a fazer ‘tudo o que for necessário’ para sustentar empregos e empresas.

Avalie o jornal
Go to TOP
Translate »