Reino Unido: VACINAÇÃO CONTRA O VÍRUS A PARTIR DE DEZEMBRO ENQUANTO REGULADOR CONSIDERA APROVAÇÃO

Tal como temos vindo a noticiar nas passadas semanas, as vacinas contra o coronavírus começarão a ser ministradas no mês que vem, assim que forem aprovadas pelo regulador de medicamentos britânico, confirmou hoje Matt Hancock, o ministro da saúde.

Numa conferência de imprensa para as televisões, o governante disse que o Governo pediu oficialmente ao regulador, o MHRA, para considerar o licenciamento da vacina feita pelas empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech.

Um estudo da fase final desta semana confirmou que a vacina foi 95% eficaz em testes clínicos e parece proteger pessoas de todas as idades contra o coronavírus.

Este tratamento de protecção, de £15 a dose, contra o vírus é actualmente o mais bem posionado a ser aprovado pela MHRA, embora os outros dois candidatos, Moderna e Oxford University venham logo atrás.

Hoje, a Grã-Bretanha confirmou mais 20.252 resultados positivos ao teste do coronavírus e 511 mortes. Embora os casos estejam diminuindo – uma queda de 26% dos 27.301 registados na passada sexta-feira – as mortes continuam aumentando, mais 36 por cento das 376 da semana passada.

Jonathan Van-Tam, responsável médico adjunto do Governo, disse hoje que o Reino Unido está “esperando” a autorização do regulador para usar a vacina e disse que isso “aconteceria à velocidade que a ciência” permitisse.

Os planos do NHS vindos a público hoje revelam que mesmo as pessoas no grupo de menor risco – adultos saudáveis ​​com menos de 55 anos – podem começar a ser vacinados dentro de dois meses, se tudo correr conforme o planeado.

Os documentos afirmam que todas as datas marcadas para vacinas dependem da entrega dos fornecimentos – com cerca sete milhões de doses esperadas no próximo mês – e são baseadas em propostas do NHS, para criar grandes instalações administradas pelos médicos de família (GP) para ministrar as vacinas.

Sobre o assunto, o ministro da saúde acrescentou que pode “confirmar que o Governo pediu formalmente ao MHRA que avaliasse a vacina Pfizer BioNTech quanto à sua viabilidade.”

“Se uma vacina for aprovada, é claro que estará disponível em todo o Reino Unido, no NHS, gratuitamente no ponto de entrega de acordo com a necessidade de cada um.’

O fabricante já tinha divulgado, no início desta semana, que tinha terminado a colecta da quantidade necessária de dados de segurança e que os testes mostraram que a sua vacina pode proteger até 95 por cento das pessoas contra o vírus Covid-19.

Embora o Pfizer esteja actualmente na linha da frente, a aprovação pode ainda não ser concedida ou ser sujeita a uma demora de maior tempo para passar pelo processo de avaliação, mas é de crer que o MHRA deva dar luz verde a pelo menos um tipo de vacina este ano.

O Reino Unido encomendou 40 milhões de doses da vacina da Pfizer – com o primeiro lote previsto para chegar no mês que vem – e cinco milhões da Moderna – que devem chegar na primavera do próximo ano. Para além disse o Governo tem também um pedido de 100 milhões de frascos do candidato de Oxford, que os cientistas dizem dever terminar os testes clínicos até o Natal.

Os planos do NHS, segundo os documentos que escaparam da instituição, sugerem que as vacinas podem ser disponibilizadas para todos os adultos do Reino Unido até o final de Janeiro, mas a maioria dos jovens de 18 a 50 anos, que são os menos propensos a contrair Covid-19 grave e morrer, serão provavelmente vacinados em Março.

Resumo das notícias do coronavírus de hoje:

  • O professor “Confinamento”, Neil Ferguson, alertou que a maioria dos meios de propagação da Covid vão permanecer após a término do confinamento nacional, em 2 de Dezembro, caso as infecções não recuperarem;
  • A Irlanda do Norte vai entrar novamente em confinamento poucos dias após a reabertura, com todas as lojas não essenciais, salões de cabeleireiro e cafés, forçados a fechar na próxima sexta-feira noutra paralisação de duas semanas;
  • Rishi Sunak está a enfrentar uma batalha com os sindicatos, perante o anunciado aperto salarial para cinco milhões de trabalhadores do sector público – além de enfermeiras e médicos – um ‘golpe cruel’ enquanto anuncia planos para ajudar a pagar a recuperação do coronavírus;
  • O ex-secretário de Saúde Jeremy Hunt disse que o governo deveria testar todos para o coronavírus uma vez por mês, para implementar um sistema de ‘passe livre’ onde as pessoas com resultados negativos podem viver vidas normais;
  • Pessoas com anticorpos COVID-19 estão protegidas contra reinfecção por pelo menos seis meses, descobriu um estudo de Oxford.
Abertura do concurso de apoio ao movimento associativo da Diáspora

Comments

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP
Translate »