ANA GOMES CRITICA SEVERAMENTE PRESIDENTE DA REPÚBLICA PELA SUA ACTUAÇÃO EM MATÉRIA DE POLÍTICA EXTERNA

A candidata presidencial Ana Gomes critica severamente o Presidente da República pela sua actuação em matéria de política externa, afirmando que houve “vários momentos” que lhe desagradaram, como perante casos judiciais de Angola e Moçambique.

Em entrevista à agência Lusa, a antiga dirigente do PS cita, nomeadamente, casos referentes ao processo do ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, bem como do desaparecimento do empresário português Américo Sebastião em Moçambique.

“Houve vários momentos que me desagradaram [na actuação do chefe de Estado], por exemplo quando o Presidente da República, em concerto com o Governo, se mobilizou para ser produzida uma decisão judicial que facultou o abandono pela justiça portuguesa do julgamento do engenheiro Manuel Vicente, quando ele foi acusado de ter corrompido um procurador português”, aponta.

Ana Gomes afirma também não ter gostado de ver o caso do empresário Américo Sebastião “ter sido posto debaixo do tapete”, apesar de reconhecer que “houve um acompanhamento intenso e atento” da situação da parte da presidência da República.

“Perante os últimos desenvolvimentos, que envolveram ameaças à família desse empresário”, a par de uma “persistente recusa das autoridades moçambicanas ao mais alto nível em aceitar a ajuda da Polícia Judiciária para esclarecer o que aconteceu”, não é aceitável – diz – que “tenha sido sempre dado o total aval às autoridades de Moçambique responsáveis pela recusa em aceitar ajuda portuguesa para localizar esse nosso empresário”.

Segundo a candidata, “o Presidente, nos termos constitucionais, é o garante da unidade do Estado, do regular funcionamento das instituições democráticas, mas também da independência nacional, e esse comportamento não serviu à independência nacional nem o interesse nacional”.

Ana Gomes é também fortemente crítica da posição de Portugal relativamente à rede 5G e à eventual concessão à empresa chinesa Huawei.

“A Huawei é uma empresa do Estado controlada pelo Partido Comunista Chinês, aliás, pelo exército chinês, que eu visitei enquanto parlamentar europeia, e que sei que está obrigada a ceder todos os dados que recolhe em todo o mundo ao controlo do Partido Comunista Chinês”, declara.

A ex-eurodeputada socialista ressalva, no entanto, que este assunto nada tem a ver com a posição manifestada pelos Estados Unidos e a guerra comercial feita pela administração norte-americana.

“Para mim [a questão da 5G] é essencial para a independência nacional e para a autonomia estratégica da Europa”, conclui, afirmando que esta “é uma questão fundamental e muito antes da Europa ter concluído, aliás, à conta da pandemia como ela era realmente fundamental”.

 

Comments

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP
Translate »