PORTUGAL PROCURA “NOVAS LINHAS DE COLABORAÇÃO” NA CIÊNCIA E ENSINO SUPERIOR COM O REINO UNIDO

Londres, 20 jun 2020 – O governo português está a preparar “novas linhas de colaboração” bilaterais nas áreas do ensino superior e investigação científica com o Reino Unido pós-Brexit, revelou hoje o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. 

Portugal, disse o ministro, “quer manter uma cooperação de muitas longas décadas com o Reino Unido e eu tenho nas últimas semanas reunido [por videoconferência] com a nova ministra inglesa da Ciência e das Universidades [Michelle Donelan] para lançarmos novas linhas de colaboração para além de aquilo que é o contexto europeu”. 

Manuel Heitor falava na abertura do LUSO 2020, o encontro anual dos estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido, organizado pela associação PARSUK, formada por estudantes e investigadores portugueses no Reino Unido. 

O tema desta 13.ª edição do LUSO, que decorreu por videoconferência devido às restrições relacionadas com a pandemia covid-19, foi “Longe da Vista, mas Perto em Colaboração”, no sentido de debater o futuro das colaborações entre os dois países no contexto pós-pandemia e pós-Brexit. 

Relativamente à saída do Reino Unido da União Europeia, formalizada em 31 de Janeiro, e às negociações sobre as relações futuras, Manuel Heitor reiterou a posição de Portugal de manter uma colaboração próxima com os britânicos na área da ciência. 

“Está ainda discussão o futuro do programa quadro europeu de investigação e inovação [HORIZON 2021-2027], que tem sido a principal alavanca para a cooperação entre ingleses e toda a Europa. A posição de Portugal tem sido clara a favor de manter essa relação, à semelhança de outros países externos que colaboram com a Europa, nomeadamente a Suíça e a Noruega”, adiantou. 

O vice-presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, José Paulo Esperança, defendeu que o ‘Brexit’ pode oferecer oportunidades para Portugal em termos de parcerias entre universidades portuguesas e britânicas. 

Segundo dados da Unesco, o Reino Unido é actualmente o principal destino dos estudantes portugueses que vão para o estrangeiro, cerca de 26,2% do total, correspondente a 3681 estudantes

Todavia, esta relação não é recíproca ao mesmo nível, já que o número de britânicos representa menos de 1% dos estudantes estrangeiros nas universidades portuguesas.

Durante o evento foram anunciados os cinco projectos vencedores de bolsas de investigação para promover a mobilidade entre Portugal e o Reino Unido no âmbito de um protocolo assinado no ano passado entre a PARSUK e a FCT.

No encerramento, o embaixador de Portugal no Reino Unido, Manuel Lobo Antunes, reiterou a importância de uma cooperação científica entre os dois países e pós-Brexit, mas sobretudo pós-pandemia covid-19, tendo em conta a importância de universidades britânicas no desenvolvimento de modelos matemáticos e projectos de vacinas. 

“Isto mostra, como se necessário fosse, o lugar importantíssimo que o Reino Unido tem nestas áreas e naturalmente que nós temos todo o interesse em manter esta colaboração e aprender e recolher informação”, disse. 

Comments

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP
Translate »