Covid-19: SECTOR DO TURISMO NA MADEIRA EM  GRANDES DIFICULDADES 

O turismo, um dos sectores mais importantes da economia regional e nacional, é o que terá mais dificuldade em “retomar o ritmo normal”, sendo necessário “acabar com o medo” e dar “segurança” aos visitantes, defendeu hoje o secretário regional.

“Entendemos que o sector do turismo será aquele que terá mais dificuldade em reagir e retomar o seu ritmo normal, será aquele que levará mais tempo, é o que está no fim de uma cadeia”, afirmou o secretário do Turismo e Cultura da Madeira.

Eduardo Jesus falava após uma reunião que manteve na presidência do Governo Regional da Madeira, na Quinta Vigia, na qual participou o chefe do executivo insular, Miguel Albuquerque, e representantes dos principais grupos hoteleiros no arquipélago, nomeadamente Pestana Hotels, PortoBay, Savoy, Enotel, Fourviews Hotels e Cardoso, com o objetivo de analisar vários aspectos relacionados com o sector.

O governante com a tutela do turismo defendeu que este sector “precisa de ser apoiado mais tempo”, tendo os participantes no encontro estabelecido como “grande prioridade” a importância de não permitir que esta crise venha a “provocar desemprego”.

Para isso, complementou, “o Governo central tem de ser chamado, através da Segurança Social”, a apoiar o setor, defendendo que deve, por exemplo, ser prolongado “o regime do lay-off simplificado, porque, se assim não for, e a lógica for o regime normal, vai acontecer um despedimento em massa que não interessa nada à economia regional e nacional”.

Eduardo Jesus enfatizou que, neste encontro na Quinta Vigia, foi abordada “sobretudo a expectativa do momento de reabertura de toda a actividade turística”.

Porém, informou que “existe um consenso nesta matéria de que a Madeira não pode avançar com uma data neste momento sem que se verifique em simultâneo o controlo da pandemia na Região Autónoma da Madeira e na origem dos viajantes”.

O responsável madeirense referiu que, “enquanto não surge a vacina” para a covid-19, “impõem-se aos destinos, onde a Madeira se inclui, a adopção de um conjunto de medidas e acções que venham permitir restaurar a confiança dos viajantes”.

“É este o grande objetivo: acabar com o medo de viajar e para acabar com o medo de viajar e dar confiança às pessoas é preciso investir em procedimentos novos”, vincou.

Tendo em conta este objetivo, o governo madeirense “desafiou o sector a emanar um conjunto de orientações, ideias, sugestões para um documento denominado ‘Covid Safe Tourism’, que sistematiza toda essa orientação”.

“O grande propósito desse documento é trazer confiança ao sistema e onde se inclui um capítulo que se relaciona com toda a operacionalidade no aeroporto”, adiantou, mencionando que a região está a aguardar o “entendimento das autoridades nacionais e europeias a implementar.

O governante salientou que o mercado nacional “será o primeiro a reagir e constituirá a grande aposta no imediato” para o sector na Madeira, sem esquecer os nichos tradicionais.

Também aponta uma aposta nos países nórdicos, “procurando tirar partido do posicionamento que a Madeira pode afirmar como destino seguro pelo conjunto de medidas que está a adoptar e a prática da saúde pública a liderar todo este processo” da pandemia.

O Governo da Madeira também apoia a pretensão dos empresários da hotelaria de suspender os pagamentos por conta, “aliviando as tesourarias, sabendo que não vale a pena estar a fazer pagamentos de um dinheiro que não vai existir”, considerando que pode ser “um financiamento ilegítimo que o Estado tem aqui à custa das empresas”.

Na Madeira, de acordo com os últimos dados divulgados pelo Instituto da Administração de Saúde da região (Iasaúde) na terça-feira, estão reportadas 85 pessoas infectadas no arquipélago, estando apenas três doentes hospitalizados e 13 já recuperaram.

The Lingerie Restaurant

Comments

be the first to comment on this article

Deixe o seu comentário:

Go to TOP
Translate »