BREXIT: Acredito “ser possível” evitar uma saída sem acordo – António Costa

O cenário de um ‘Brexit’ sem acordo é visto pelo primeiro-ministro como de “consequências imprevisíveis” e “altamente perturbador”, mas apesar de tudo considera que Portugal está agora mais bem preparado para essa circunstância.

“A solução de um ‘Brexit’ desordenado é um cenário mau para toda a gente (…) de consequências que serão seguramente imprevisíveis na sua totalidade, quer para o Reino Unido, quer para o conjunto da economia europeia, quer para o funcionamento do dia-a-dia da Europa”, diz António Costa, numa entrevista à Lusa na residência oficial, rodeado dos quadros da nova colecção de arte contemporânea que será aberta ao público no próximo dia 05.

Para o primeiro-ministro e líder do PS, o cenário será tão perturbador, que considera ser “um dever de todos contribuírem para evitar esse cenário até ao último minuto. Até agora sempre tem sido possível, espero que continue a ser possível evitar esse cenário, que seria extremamente negativo”.

“Até ao último minuto é sempre possível”, diz António Costa, que recorda que essa possibilidade depende em grande medida do Reino Unido. “Hipótese, creio, menos plausível é a União Europeia alterar a sua posição ou da Irlanda prescindir da existência do ‘backstop’ (fronteira temporária com a Irlanda do Norte). Parece menos plausível e também menos razoável, visto que seria injusto ser a Irlanda a pagar as consequências de uma decisão unilateral do Reino Unido que nós todos respeitamos”.

O primeiro-ministro revela que o seu homólogo britânico, Boris Johnson lhe telefonou há duas semanas, “garantindo que, em qualquer caso, todos os direitos da comunidade portuguesa residente no Reino Unido estão assegurados e serão respeitados”.

Quanto a Portugal, estima que as medidas que foram organizadas no âmbito do plano de contingência em maio, quando houve o risco de um ‘Brexit’ sem acordo, prepararam o país.

“Nós temos preparados os cenários para a reposição das fronteiras e do controlo fronteiriço para a entrada dos britânicos em solo português”, destacou António Costa, concretizando os investimentos feitos designadamente nos dois aeroportos mais utilizados, Madeira e Faro, e as medidas adoptadas para o reforço dos controles fitossanitários e os controlos alfandegários.

Para o primeiro-ministro, não se pode, apesar disso, “diminuir a dimensão do risco e da penosidade que um ‘Brexit’ desordenado vai necessariamente trazer em todos esses movimentos circulatórios”.

 

Comentários

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ir para TOPO
Translate »