Bruxelas ‘entala’ proposta de adiamento do Brexit e desperta saída sem acordo

Segundo Michel Barnier, responsável da UE pelas negociações do Brexit, Theresa May terá de fundamentar muito bem as razões pelas quais irá pedir o adiamento da implementação do Artigo 50, previsto para 29 de Março próximo.

Barnier disse hoje aos repórteres que qualquer extensão só será considerada se houver “um novo processo político” no Reino Unido para justificá-lo.

O responsável da UE explicou que a primeira-ministra britânica vinha a Bruxelas pedir aos líderes da UE para prorrogar a saída por dois meses, para preparar de novo o seu acordo e aprová-lo no Parlamento. A chefe do Governo britânico afirmou que, se não conseguir que o Reino Unido saia da União Europeia neste curto espaço de tempo, se demite. Soube-se hoje que a decisão do adiamento curto se ficou a dever à rebelião no seio do governo, em que uma parte significativa dos ministros se demitia caso a primeira-ministra optasse por um período longo. Neste momento, Theresa May não só perdeu o controle sobre as negociações em Bruxelas, mas perdeu o apoio parlamentar e não consegue impor disciplina no Governo.

May  aposta na perspectiva que um possível adiamento por dois anos, poderia servir como meio de pressão e convencer os eurocépticos a apoiá-la e, finalmente, passar polémico acordo pela Câmara de Comuns.

Só que a credibilidade da chefe do Governo britânico em Bruxelas é muito reduzida e os líderes dos 27 países membros querem garantias e um “novo processo político”, que passa por um novo referendo, novas eleições ou mesmo pela demissão de Theresa May.

Neste momento a possibilidade da saída sem acordo é grande. Vários governantes de países do bloco europeu, nomeadamente da Alemanha e a França, já não acreditam que Theresa May consiga negociar uma proposta que agrade à maioria dos deputados. Mas estão disponíveis a ouvir. Segundo a União Europeia a proposta de Londres será analisada na próxima quinta-feira e depois discutida e decidida em 28 de Março, um dia antes da data do Brexit.

Comentários

be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ir para TOPO
Translate »